quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Essa eterna 5ª série


E se resolvemos voltar com o bagunça, que seja logo com duas categorias: Carta da Editora e Do Amor.

É que na internê nos últimos dias só se fala dos app de paquera. Dentre todos, escolhi dois pra falar o que eu penso: O Lulu e o Tubby.

Sobre o clube da luluzinha: li um texto bacana de um cara que falava "desculpa, moça. O Lulu serviu pra mostrar que ao menos, alguma vez na vida, eu fui um babaca". Talvez isso choque a sociedade (especialmente quem conhece só o meu lado de menina doce) mas eu também já fui babaca! E me arrisco a dizer que toda mulher já foi. A gente tem aquele carinha que foi só pegação, ele se envolveu e a gente não queria nada. Machucamos o garoto e ele deve nos achar a maior babaca do mundo. Mas se ele escrever pro mundo todo e todos os nossos amigos em comum (incluindo paqueras em potencial) que #agentenaovaleapena iríamos ficar bastante chateadas, certo? Por que fazer o contrário?
Aí tem quem diga: Os homens fazem isso com a gente o tempo todo, taxam de vagabunda, piriguete, dão nota e dividem em "pra comer" e "pra casar". Tudo verdade! Mas atire a primeira pedra qual garota nunca falou que o carinha "é rapidinho", "não dá futuro", é galinha, canalha... E se eu já acho tosco esse catálogo humano cheio de rótulos na vida real, acho ainda mais tosco no mundo virtual, onde o grupinho de 6 amigas do banheiro viram 7.500 pessoas viralizando sua hashtag. Como disse o Xico Sá, "O Lulu é um SPC, um Serasa moral, um cadastro geral dos marmanjos para consumo". E isso era pra ser bom?

Sobre o Tubby: Se o Lulu já é tosco, classificar desempenho sexual é ainda mais tosco! Como alguém, em algum momento do universo, pensou que isso seria possível? Sexo é pele, cheiro, momento, gosto... Sexo bom é tão relativo, o que é bom pra mim pode não ser bom pra outra garota. Depende da química, do desejo, da capacidade física no momento... Tantos "poréns"! Fora que, em pleno 2013 (quase 14) dizer que quem transa com quem quer, da forma que quer, é piranha é, no mínimo, retrocesso. Fica a dica meninos e meninas. Esse app é tão surreal, tão sem noção, tão escroto que não consigo acreditar que ele existe! Se tem algo que deve ser sem julgamentos, esse algo é o sexo. Como definir uma (ou várias) noite em uma hashtag? Ahhh e não me venham com esse papinho de "é vingança pro lulu". Não, não é! É 10 mil vezes mais babaca. A gente precisa mesmo por as pessoas em listas e adicionar a elas rótulos? Isso é tão... 5ª série.

*Título retirado de um comentário feito em um grupo do Face

** Essa é uma opinião minha, não significa que a Any concorde ou que você deva concordar

*** Sim, vamos voltando aos poucos! :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário